Sou Glenda Naila de Souza mestre em Tecnologia em Saúde do Programa de Pós-Graduação em Tecnologia em Saúde na PUCPR e apresento o resumo da minha pesquisa de mestrado que desenvolvi sob orientação da Prof.ª Drª Auristela Duarte de Lima Moser.

 

O título da minha pesquisa é

ASSOCIAÇÃO ENTRE CAPACIDADE FUNCIONAL E FORÇA DE PREENSÃO MANUAL EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO HOSPITALAR

 

O termo Diabetes Mellitus (DM) descreve uma desordem metabólica, que em longo prazo afeta o sistema muscular e a capacidade funcional. Os componentes da funcionalidade contemplam os aspectos biopsicossociais da vida do indivíduo. O rastreamento destes efeitos, incluindo todas as esferas da capacidade funcional, torna-se fundamental, pois podem influenciar o autocuidado e manejo do DM. O objetivo foi investigar a associação entre a capacidade funcional e a Força de Preensão Manual (FPM) em pessoas com diabetes do tipo 1, tipo 2 e outros tipos específicos. Foi uma pesquisa quantitativa de caráter observacional e transversal. Realizada em um ambulatório de um hospital de alta complexidade de Curitiba, Paraná, Brasil, com sujeitos diabéticos com idade ≥ 20 anos. Coletou-se, dos sujeitos, dados clínicos, sociodemográficos e estado de saúde autodeclarado; por meio de entrevista e busca em prontuário. Os testes realizados foram: World Health Organization Disability Assessment Schedule (WHODAS 2.0), Timed Up and Go (TUG) sem e com associação de tarefa motora e cognitiva, e a Força de Preensão Manual por meio do dinamômetro mecânico manual. Quanto aos resultados: participaram do estudo 168 pessoas, com idade média de 59,4 anos ± 13,2 composta por 93 mulheres e 75 homens, na amostra foi observado diminuição da Força de Preensão Manual (32,9 Kg/F ± 9,8), considerando os valores de Força de Preensão Manual para a população brasileira. As correlações entre Força de Preensão Manual e as variáveis da funcionalidade foram: WHODAS 2.0 (r = -0,3, p < 0,01), TUG (r = -0,38, p < 0,01), TUG com tarefa cognitiva (r = -0,34, p < 0,01) e TUG com tarefa motora (r = -0,25, p < 0,01). Na regressão linear múltipla a FPM junto com outras covariáveis explicaram menos de 30% da variabilidade da funcionalidade. Conclui-se que para obtenção de uma avaliação completa da funcionalidade e assim otimizar a pesquisa e a prática clínica, há a necessidade da combinação do dinamômetro com outros instrumentos de avaliação funcional, que contemplem aspectos da funcionalidade não abordados pela Força de Preensão Manual (FPM).

Link de download: Dissertação PPGTS PUCPR - Glenda Naila de Souza 2020

 

Autora
Glenda Naila de Souza
Mestre em Tecnologia em Saúde - PUCPR

Revisão e Narração em Língua Portuguesa
Luana Arrial Bastos
Mestre em Tecnologia em Saúde – PUCPR

Tradução para Libras
Lígia Fernanda Giorgia de Oliveira Klein

Edição do Vídeo
Kyarah Sayuri Chihaya Zagheni

Referências:

BARBOSA, B. R.; ALMEIDA, J. M. D.; BARBOSA, M. R.; ROSSI-BARBOSA, L. A. R. Avaliação da capacidade funcional dos idosos e fatores associados à incapacidade. Ciência & Saúde Coletiva. v. 19, n. p. 3317-3325, 2014. DOI:10.1590/14131232014198.06322013

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Definition, diagnosis and classification of diabetes mellitus and its complications: report of a WHO consultation. Part 1, Diagnosis and classification of diabetes mellitus. Geneva: World health organization, 1999.

OMS - ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. CIF checklist: report of a WHO - world health organization. ICF checklist: Clinician Form, for International Classification of Functioning, Disability and Health. Organization, v.2, n. 1; p. 1–15, 2003.

 

Como citar: ABNT

SOUZA, Glenda Naila de; MOSER, Auristela Duarte de Lima. Associação entre capacidade funcional e força de preensão manual em pacientes com diabetes mellitus atendidos em um ambulatório hospitalar. Unidos pela Saúde, 2022. Narração em Língua Portuguesa: L. A. Bastos. Tradução para Libras: L. F. G. de O. Klein. Disponível em: https://www.unidospelasaude.com.br/associacao-entre-capacidade-funcional-e-forca-de-preensao-manual-em-pacientes-com-diabetes-mellitus-atendidos-em-um-ambulatorio-hospitalar/ Acesso em: 22 maio 2024.